Intranet

Faça seu pedido aqui.



Entrar



Clique no botão para entrar

Oportunidades

Faça parte do nosso time, envie seu currículo para quaisquer oportunidades!
Trabalhe conosco

Transmissão de pedidos



SuperInformativo

Cadastre seu email para receber as notícias da GAM

Notícia

29/12/2017 - Como Anvisa e farmacêuticas querem diminuir falsificações e roubos de remédios

No primeiro trimestre de 2018, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e um grupo de seis empresas farmacêuticas começam um projeto-piloto para rastrear remédios desde a produção à venda no Brasil.

A medida pode ajudar a diminuir a circulação de produtos falsificados ou de qualidade duvidosa, estimados em 10% do total de remédios vendido em países de baixa e média renda, como o Brasil, segundo relatório recente da OMS (Organização Mundial da Saúde). O total gasto com esses medicamentos pode chegar a US$ 30 bilhões

globalmente, estima a organização.

O programa de rastreabilidade brasileiro, cujo nome oficial é Sistema Nacional de Controle de Medicamentos, vinha sendo pensado desde janeiro de 2009, quando a lei Lei 11.903 previa a criação de um sistema de rastreamento desde a fábrica até o paciente. Após intenso debate entre indústria e governo e uma nova lei em 2016, o programa foi regulamentado. Em 2018, começa a primeira fase.

O rastreio será possibilitado por um número individual, exclusivo de cada medicamento. Esse código, que funciona como um número de identidade único, estará na embalagem de cada produto e permitirá que governo e farmacêuticas rastreiem os remédios em toda a cadeia comercial.

O processo tem início com o fabricante ou importador do remédio, que informa à Anvisa quando o produto sai do laboratório e é enviado para uma revendedora. Por sua vez, quando as revendedoras recebem e quando revendem o medicamento, elas detalham à agência as informações sobre quais drogarias ou hospitais receberão o produto.

“Os códigos de cada caixinha vão nos ajudar a monitorar se o produto transita na cadeia conforme ele vai sendo informado [pelas empresas]. Com isso, evitamos o uso de produtos sem registros, roubados ou extraviados”, explica Pedro Ivo Sebba Ramalho, diretor-adjunto da Anvisa.

A agência também espera que o sistema ajude as ações de recolhimento – quando um remédio apresenta problemas de qualidade e precisa ser retirado rapidamente de circulação. “Saberemos onde estarão todas as unidades de lote com problemas”, afirma Ramalho...

Notícias

Todas as notícias

 

Genesio A. Mendes & CIA Ltda.

Av. Patrício Lima, 310 CEP 88704-410 - Tubarão/SC - Fone: (0xx48) 3621-8000 / Fax: (0xx48) 3621-8080